Educação Financeira

Panorama de endividados no Brasil

Elaboramos um panorama de endividados no Brasil para que você entenda o contexto da situação atual e como quitar suas dívidas.

Anúncios

Cenário de endividamento dos brasileiros

image

O contexto econômico brasileiro tem uma profunda ligação com o panorama de endividamento das pessoas em nosso país. Pois, sabemos que fatores como desemprego, inflação e o cenário social e político afetam diretamente a vida financeira de milhões de brasileiros todos os anos. Assim, a consequência pode ser o desequilíbrio das finanças pessoais, causando o endividamento dos indivíduos e suas famílias.

Por exemplo, ainda em 2018 o Brasil passou por fortes turbulências como a greve dos caminhoneiros e o ano eleitoral mais conturbado dos últimos tempos. Assim, o país terminou o ano com aumento da informalidade entre os trabalhadores, e também com o crescimento da inadimplência.

Pois, fatores como desemprego e inadimplência andam sempre lado a lado no panorama econômico de um país. Então, no Brasil não poderia ser diferente, certo? Aqui o aumento do desemprego influencia diretamente na perda do poder de compra do brasileiro, com uma desorganização das finanças e o consequente endividamento.

Com relação a esses fatores, o ano de 2019 vinha projetando uma melhoria no panorama de endividados no Brasil, com crescimento de 2% no Produto Interno Bruto (PIB). Porém, como sabemos, o ano de 2019 se encerrou com o início da disseminação do coronavírus na China e na Europa. Assim, em 2020 a pandemia alcançaria o Brasil e afetaria gravemente o cenário social, político e econômico do país.

Anúncios

E as consequências para os endividados do Brasil?

Como consequência, o panorama de endividados no Brasil se alterou, aumentando a dificuldade das pessoas em conseguir crédito junto às instituições financeiras. E isso por estarem negativadas junto à SPC e Serasa, por exemplo.

Pois, com o avanço da pandemia e o aumento das restrições ao comércio e às empresas, muitos trabalhadores acabaram perdendo seus empregos ou vendo a renda familiar diminuir drasticamente. Assim, como dissemos, desemprego e inadimplência andam lado a lado sempre que uma crise econômica chega ao país.

Então, com o aumento do desemprego e da dificuldade de milhares de brasileiros de cumprir com o pagamento de suas dívidas, cresceu o número de endividados no Brasil. Mas a situação de endividamento fica ainda mais grave quando pensamos em outro fator: o da falta de conhecimentos do brasileiro médio sobre o mundo das finanças.

Pois, é claro, não entender bem como funciona a organização e o planejamento de suas finanças pessoais é algo que pode ser um facilitador do endividamento no Brasil. Assim, pessoas solicitam empréstimos e assinam contratos de financiamento sem ter um bom planejamento financeiro ou uma noção de metas e objetivos a alcançar com o dinheiro.

Mas quais os motivos que ligam o panorama de envidados no Brasil e a falta de educação financeira em nosso país? Então, vamos analisar de maneira mais aprofundada como é a situação relativa ao conhecimento sobre o mundo das finanças entre os brasileiros.

Educação Financeira: por que não é disseminada no Brasil?

Sabemos que no Brasil a educação financeira ainda é vista como algo complicado e que não é acessível a todos os brasileiros. E isso realmente era uma realidade até pouco tempo atrás, já que o acesso a esse tipo de conhecimento era realmente mais restrito.

Porém, apesar de ainda não ser uma realidade concreta diretamente nas escolas públicas do Brasil, a educação financeira está se tornando um assunto muito relevante e discutido no país. Assim, entender melhor como funciona o mundo das finanças tornou-se um tópico que está invadindo a internet e se tornando mais popular.

Então, é justamente através da internet que as pessoas passam a ter mais acesso à educação financeira e procuram entender melhor o que ela é. Pois, seja pelas redes sociais, blogs especializados ou cursos online, a educação financeira parece estar alcançando um status de conhecimento essencial.

Sabemos que muitas pessoas relacionam educação financeira apenas com a possibilidade de acumular riqueza, fazer investimentos, etc. Mas não é apenas isso! Claro que tudo está interligado, mas entender de finanças vai ajudar principalmente a organizar a forma como você se relaciona com o dinheiro no seu dia-a-dia.

Assim, a educação financeira chegou até as pessoas preocupadas com sua situação de endividamento, ou mesmo aquelas que ainda não se tornaram endividadas e querem evitar essa situação. Pois já foi o tempo em que entender de finanças parecia algo complexo e que só seria útil para investidores e pessoas com dinheiro. Muito pelo contrário!

Anúncios

Disseminação da educação financeira

Já que entender de educação financeira é o que irá direcionar melhor as pessoas no Brasil sobre como organizar seu dinheiro, a forma como gastam, economizam, investem, etc. Ou seja, com uma boa noção sobre finanças se torna mais difícil que os brasileiros entrem em contratos desvantajosos de empréstimo, caiam em golpes ou percam o controle de seu orçamento doméstico a ponto de se tornarem inadimplentes.

Assim, há o surgimento de informações sobre educação financeira nas plataformas das próprias instituições financeiras, além de cursos gratuitos e contas nas redes sociais que explicam finanças de maneira leve e simples. Então, tudo isso modifica a forma como as pessoas gastam seu dinheiro e gerenciam suas dívidas.

Em suma, quanto maior o nível de educação financeira de um país, menor será o nível de endividamento de seus habitantes. Ou seja, com o estudo sobre as finanças se tornando cada vez menos um tabu, o panorama de endividados no Brasil também se altera.

Mas afinal, qual é o perfil médio do brasileiro endividado? Bem, como pudemos ver o endividado no Brasil sofre influência direta dos níveis de inflação, desemprego e inadimplência. Então, vamos entender a seguir de maneira mais profunda como são as pessoas que acabam endividadas no Brasil.

10 melhores conselhos de educação financeira

A educação financeira te ajuda a criar boas metas e a lidar com suas finanças, mantendo ganhos sempre maiores do que os gastos. Entenda mais!

image

Perfil do brasileiro endividado

Você sabia que ter dificuldades em organizar bem um orçamento doméstico e o gerenciamento do dinheiro ainda é a realidade de muitos brasileiros? Pois a maioria das pessoas em nosso país ainda vive gastando quase tudo o que ganha, e poucos são os que lembram de criar uma reserva financeira de emergência.

Dessa forma, nasce o panorama de endividados brasileiros, já que o descontrole das finanças pessoais está entre as principais causas das dívidas no Brasil. Além disso, o perfil do brasileiro endividado é basicamente pensar no curto prazo, mas nunca em como será sua situação financeira no longo prazo.

Assim, o Brasil soma a falta de educação financeira com o cenário econômico desfavorável por conta da pandemia desde 2020, e o resultado são milhões de inadimplentes e de endividados. Mas quem é o brasileiro médio endividado?

Diferente do que se possa imaginar, não é entre as pessoas com renda mais baixa que se encontra o perfil do brasileiro endividado. Pois é entre os tomadores com renda entre 5 mil reais e 10 mil reais que há a maior incidência de endividamento.

Assim, segundo relatório governamental da série Cidadania Financeira de dezembro de 2019, cerca de 54% dos tomadores de crédito estão na faixa de renda média, entre 2 mil e 10 mil reais. Ademais, a propensão ao endividamento de risco é muito menor entre as pessoas de baixa renda, o que contraria o pensamento popular.

Características gerais

Ou seja, o panorama de endividamento de risco aponta que o perfil dos endividados brasileiros é de classe média. Mas para que entenda ainda melhor quais as principais características do perfil médio dos endividados no Brasil, confira a lista a seguir:

  • Quanto à faixa etária, quanto maior a idade maior é o risco de endividamento. 
  • Acima de 65 anos, cerca de 7,9% das pessoas no Brasil está endividado;
  • A incidência de endividamento é um pouco maior na região Norte do país, com cerca de 6,1% contra 5,4% no restante do Brasil;
  • Na região Norte, o panorama de endividados é pior no Amazonas (7,7%), seguido do Amapá (7,5%);
  • No Sul, a única região acima da média nacional de endividamento é o Rio Grande do Sul, com 6,8%;
  • A maioria dos endividados se encontram na faixa de renda média, entre 2 mil e 10 mil reais;
  • O endividamento entre mulheres é levemente superior ao dos homens, com porcentagem de 5,6% contra 5,2%.

Então, basicamente o perfil do brasileiro endividado é o de uma pessoa de renda média – entre 2 mil reais e 10 mil reais -, com idade acima de 54 anos, do gênero feminino e moradora da região Norte do Brasil. 

E isso se justifica pelo fato de pessoas nessa faixa de renda possuírem mais acesso a produtos financeiros e limites de crédito. Mas, ao mesmo tempo, esse perfil não teve fácil acesso a uma boa educação financeira, não tem tanta familiaridade com a internet e em geral não sabe da importância do conhecimento de finanças Ou seja, esse perfil de brasileiro endividado não realiza um bom gerenciamento de sua renda doméstica.

Contexto atual: instabilidade econômica

Além disso, não podemos esquecer que o panorama atual de instabilidade econômica pode levar essas pessoas a precisarem de mais crédito, porém sem o conhecimento para gerenciamento de empréstimos e dívidas. 

Dessa forma, percebemos que o panorama de endividamento no Brasil é um fenômeno complexo, que deve ser visto através de diferentes fatores: economia, política, desemprego, inadimplência, educação financeira, renda, faixa etária, gênero, local de moradia, etc.

Assim, as políticas públicas no Brasil devem ser voltadas especificamente para entender e auxiliar o endividado brasileiro, com uma abordagem preventiva e de tratamento da situação. Mas é claro que o endividamento não é uma situação exclusiva de nosso país, certo? Então vamos agora abordar como se dá o panorama de endividados no restante do mundo. 

Brasil vs Mundo

Nós já entendemos melhor como é o panorama de endividamento no Brasil, assim como os fatores que influenciam nesse contexto. Ademais, entendemos qual é o perfil médio do brasileiro endividado em nosso país.

Mas como o Brasil se compara a outros países do mundo que também estão endividados? Para começar, precisamos ressaltar que, entre os países da América Latina, é o Brasil o que possui a maior dívida fiscal.

Porém não é apenas no Brasil que o cenário econômico não passa por seu melhor momento desde 2020. Pois as expectativas de crescimento em 2020 foram pequenas globalmente, ficando em torno de 2,5%. E essa tendência pode aumentar conforme o ano de 2021 se desenrola e ocorrem atritos a nível comercial e político. 

Assim, em 2020 o Banco Mundial já alertava em janeiro para um risco de dívida global, mesmo com taxas de juros historicamente baixas. Ou seja, o aumento da dívida global foi bastante significativo, e ainda não há sinais de diminuição desse cenário tão já.

Países desenvolvidos

Mas por trás desse contexto global os dois maiores motores para o endividamento são os Estados Unidos e a China. Assim, a China é um país que possui uma dívida internacional que se aproxima de 310% do seu Produto Interno Bruto (PIB), o que coloca o país entre aqueles com maior índice de endividamento entre as economias em emergência (onde se inclui o Brasil).

Então, confira a seguir uma lista com dados de janeiro de 2020 sobre o nível de endividamento dos chamados países desenvolvidos, com ‘mercados maduros”, para comparação com a China:

  • Japão: em relação ao PIB, a dívida é de 226,3% (fiscal), 157% (setor financeiro), 101,9% (não financeiro) e 55,3% (domésticas);
  • Reino Unido: 110,3% do PIB em dívidas fiscais, 178% no setor financeiro, 81,5% no setor não-financeiro e 83,8% de dívidas domésticas;
  • Estados Unidos: em dívidas fiscais o valor é de 101,8% do PIB, com 77,1% em dívidas do setor financeiro e 74,2% no setor não financeiro, além de 74,2% em dívidas domésticas;
  • Zona do Euro: 100,3% do PIB em dívidas fiscais, com 122,6% em dívidas do setor financeiro e 107,9% do não financeiro, além de 57,8% em dívidas domésticas

Países emergentes

Já entre os países considerados emergentes, com “mercados em desenvolvimento”, o Brasil tem o segundo maior endividamento público, perdendo apenas para o Líbano, que tem 155% do PIB em dívidas.

Pois no caso brasileiro os índices chegaram a 88% do PIB em 2019. Porém, o maior crescimento de dívidas considerando o endividamento total entre os países emergentes ficou para Coréia do Sul e o Chile.

Mas, apesar disso, por conta de todo o contexto interno e específico de cada um destes países, eles estão em uma posição segura. O que não pode ser dito sobre o cenário de endividamento do Brasil, por exemplo.

Assim, para que fique mais claro o panorama de endividamento de cada país, observe a lista abaixo:

  • Brasil: possui 87,9% do PIB em dívida fiscal, além de cerca de 40% no setor financeiro e 43% no setor não-financeiro, com 42,9% em dívidas domésticas;
  • Chile: em relação ao PIB do país, as dívidas fiscais estão em cerca de 31%, enquanto no setor financeiro o valor é de 50,2% e não-financeiro de 103,3%, com 47,2% de dívidas domésticas;
  • Argentina: a dívida fiscal está em 85,7%, enquanto que no setor financeiro está em 7%  e 15,6% no setor não-financeiro. Já em relação às dívidas domésticas o valor é 6,2%;
  • Colômbia: o país está com 50,3% do PIB comprometido em dívida fiscal, 5,3% no setor financeiro e 33,6% no não-financeiro. Quanto às dívidas domésticas a porcentagem é de 27%;
  • México: 35,3% do PIB em dívida fiscal, além de 16,6% no setor financeiro e 26,4% no não-financeiro. Além disso, tem 26,4% do PIB em dívidas domésticas.

Ou seja, em termos de panorama de endividamento em relação aos nossos vizinhos da América Latina, o Brasil se encontra em primeiro lugar.

Dívida e Recuperação de crédito no Brasil

Como demonstramos, o panorama de endividamento do Brasil é complexo e leva em consideração um cenário econômico e político internacional. Além da questão atual relativa à pandemia de COVID-10. 

Mas isso também se aplica à questão dos endividados brasileiros, que são influenciados também diretamente por esse macro e micro cenário econômico. Porém, é interessante ressaltar que os endividados no Brasil também estão procurando solucionar seus problemas e recuperar seu crédito. Mas como?

Primeiro, vamos entender como é o pensamento das pessoas no Brasil quando pensam em quitar suas dívidas e conseguir a recuperação de crédito:

  • 43% dos consumidores consideram muito importante ter o nome limpo;
  • ¼ dos consumidores brasileiros pretende pagar primeiro contas com juros mais altos, em seguida quitar contas básicas como internet, luz, água e telefone;
  • 71% irão sempre procurar quitar suas dívidas em aberto;
  • 70% procuram realizar acordo com os credores, conseguindo novas condições para parcelamento do valor da dívida;
  • 84% das pessoas receberam propostas de renegociação da dívida como iniciativa dos próprios credores;
  • A média de desconto após a negociação da dívida é de 22% do valor total, com taxa de sucesso do acordo em 67%;
  • Porém, 58% das pessoas que negociaram suas dívidas continuam atrasando as parcelas após novo acordo.

Já em relação ao perfil das empresas, sabemos que os Cartões de crédito e cartões de lojas estão entre os tipos de contas em aberto que mais causam inadimplência e endividamento no Brasil. Além disso, cerca de 84% das empresas brasileiras costumam inserir o nome dos consumidores inadimplentes em cadastros de proteção ao crédito, como SPC e Serasa.

Mas para que entenda melhor, o panorama dos produtos e serviços financeiros que mais causam endividamento no Brasil se encontra da seguinte forma:

  • Cartão de crédito (63%);
  • Cartão de loja (53%);
  • Empréstimos (29%);
  • Boletos bancários (29%);

Assim, o perfil da dívida do brasileiro chega a comprometer 768% da renda familiar mensal de 2.822 reais entre a média dos consumidores inadimplentes no nosso país. Ou seja, a dívida média final das pessoas chega ao valor de 21.676 reais.

image

Por que os brasileiros se endividam tanto?

Mas qual é o motivo de as pessoas no Brasil chegarem a níveis tão altos de endividamento? Bem, cerca de 48% dos consumidores inadimplentes no país afirmam que foi a falta de planejamento de finanças pessoais que facilitou essa situação.

Ou seja, é a falta de uma boa base de educação financeira que leva a um descontrole no orçamento pessoal e a tomada de decisões de risco com contratação de crédito. Mas também existem os fatores do desemprego, a queda na renda familiar, atrasos nos salários e excesso de gastos mensais.

Então, como sair dessa situação de endividamento e recuperar o crédito no mercado? Em suma, o você pode começar com as seguintes atitudes básicas:

  • Negociação com os credores;
  • corte de custos;
  • recebimento de dívidas de terceiros;
  • geração de renda extra.

Mas isso é um panorama bastante geral. Então, confira a seguir mais algumas dicas de como sair do endividamento!

image

Como sair das dívidas?

Após toda a explicação sobre o panorama de dívidas do Brasil e do brasileiro, é hora de entender como colocar em prática atitudes para quitar suas dívidas o quanto antes e sair do vermelho.

Para quem quer dicas para quitar as dívidas em 2021, é muito importante começar pensando na necessidade de se possuir um nome limpo. Pois quem está negativado encontra algumas dificuldades e obstáculos para solicitar crédito e usufruir de produtos financeiros, como os cartões de crédito com limite pré-aprovado.

Então, para esse primeiro momento de reflexão antes da ação, é preciso entender os motivos que te levaram a estar com dívidas que não consegue quitar. Após isso, é preciso pensar em todas as suas dívidas e identificá-las uma a uma.

Ou seja, é hora de colocar em prática um bom planejamento das suas finanças pessoais. Além disso, que tal conferir se você possui dívidas antigas que nem se lembrava? Pois elas podem ser uma das principais razões para você possuir restrições em seu CPF, e é preciso regularizar essa situação o quanto antes.

Como saber se você possui dívidas em aberto

Assim, existem 3 maneiras de saber se existem dívidas antigas em aberto:

  • Através da consulta de CPF na plataforma do Serasa;
  • Também há a consulta aos dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) através da plataforma Boa Vista;
  • Finalmente, você pode consultar a base de dados da SPC Brasil através do seu CPF, porém este serviço requer pagamento de uma taxa de 9,90 reais.

Mas você pode estar se perguntando: a dívida caduca? Pois muita gente se esquece das dívidas antigas na hora de realizar um planejamento financeiro para limpar o nome, pensando que elas caducam.

Porém não é bem assim. A princípio, dívidas com mais de 5 anos irão caducar e você terá seu nome retirado dos órgãos de proteção ao crédito como SPC e Serasa. Mas a dívida vai continuar em aberto com os credores, o que pode dificultar e até impossibilitar que você adquira produtos financeiros e serviços novamente com eles.

Ademais, se a sua dívida de mais de 5 anos for com uma instituição financeira, seu nome continuará registrado como devedor no Serviço de informações de Crédito do Banco Central. Assim, poderá ter limitação de concessão de crédito no decorrer dos anos.

Planejamento financeiro: a solução para o endividamento?

Em suma, realize um planejamento financeiro levando em consideração todas as suas dívidas em aberto, mesmo as mais antigas que já podem estar “caducas”. Após isso, é muito importante organizar qual dívida negociar primeiro, sem esperar que os credores precisem entrar em contato para solicitar negociação.

Nesse caso, o ponto chave são os juros que são cobrados sobre a dívida. Ou seja, comece por aquelas dívidas em aberto que possuem as maiores taxas de juros. Em seguida, reflita sobre a possibilidade de quitar o valor total ou fazer a portabilidade de crédito e conseguir melhores condições de pagamento.

Assim, você pode realizar várias simulações em plataformas online, como o Serasa eCred, e negociar online a sua dívida com novos credores. Além disso, existem momentos como o Feirão Limpa Nome da Serasa que procuram facilitar a negociação e a portabilidade de dívidas.

Ademais, busque sempre por formas de economizar na hora de quitar dívidas. Pois equilibrar seu orçamento doméstico e suas finanças pessoais é também muito importante para dar esse passo de sair de vez do endividamento. 

Assim, é preciso uma mudança de hábitos e mais interesse por educação financeira. Então, que tal iniciar seu controle financeiro? Portanto, pense em todos os seus gastos recorrentes, dívidas em aberto, dívidas quitadas, gastos supérfluos e essenciais, etc. Além disso, crie suas próprias metas financeiras e desenvolva a disciplina.

Dessa forma, você vai conseguir deixar de fazer parte do panorama de endividados no Brasil, e vai alcançar uma boa gestão financeira com novas oportunidades! 

Você conhece o seu perfil financeiro

Perfil financeiro é um fator essencial para entender como você se relaciona com o dinheiro e define metas e objetivos. Clique e saiba mais!

Sobre o autor

Aline Saes

Mestre em História Social pela USP. É escritora autônoma para variados assuntos. Sempre apaixonada pela escrita, tem como missão levar informação para as pessoas de forma simples e atrativa.

Em Alta

content

Cartão Magalu ou Cartão Polishop: qual escolher?

Cartão Magalu ou cartão Polishop: saiba tudo sobre esses dois cartões de compras com cobertura internacional, descontos exclusivos e muito mais!

Continue lendo
content

Como solicitar o Cartão Proteste

Cartão Proteste é uma excelente opção para negativados, que conta com cashback e mais benefícios. Clique e saiba como solicitar o seu!

Continue lendo

Curiosidades

Famosos brasileiros que são LGBTQI+ e que você não sabia

Embora ainda exista muito preconceito, diversos famosos brasileiros que são LGTBQI+ estão falando publicamente sobre isso. Descubra quem são!

Conheça 16 famosos brasileiros que são LGTBQI+

Embora ainda exista muito preconceito, assumir-se como não hétero está cada vez mais fácil. Não à toa, há atualmente diversos famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que falam publicamente sobre isso, não tendo mais medo de mostrar o seu verdadeiro eu.

No nosso passado não tão distante, as pessoas públicas sentiam-se reprimidas para expor sua orientação sexual que não fosse a heterossexual. Isto porque elas perdiam contratos e trabalhos, mesmo que fossem profissionais altamente qualificadas.

Tudo isto por uma única razão: preconceito. À mercê da opinião pública, os famosos viviam – e ainda vivem – à sombra dos noticiários a respeito de si. Se positivo, trabalhos não lhe faltavam. Se negativo, a história já era outra…

E era justamente isto o que acontecia quando o artista revelava não ser hétero. Luiz Fernando Guimarães, por exemplo, assumiu-se gay apenas em 2015, após anos e anos em silêncio a respeito do assunto.

A boa notícia é que o mundo está evoluindo, não é mesmo? Com isto, as pessoas estão sendo menos preconceituosas e mais tolerantes com a orientação sexual alheia. Aliás, cabe deixar claro que o que o outro gosta ou deixa de gostar não cabe a ninguém, a não ser à própria pessoa, correto?

Enfim, já que o papo é esse, que tal descobrirmos quem são os famosos brasileiros que são LGTBQI+? Com certeza, há diversos artistas abaixo que você nem imaginava que estariam aqui – mas estão! E então, vamos saber mais?

1. Ary Fontoura

Com a pandemia do coronavírus, veio uma nova forma de comunicação: as lives. Como tudo é transmitido ao vivo, diversas gafes acabam passando. Dentre elas, a mais recente revelação de que Ary Fontoura é homossexual.

Esta “comida de bola” aconteceu numa livre do ator de 87 anos de idade com a atriz Maria Zilda Bethlem. Conversa ai, conversa vem, a artista relembrou o momento em que Fontoura revelou para ela que, segundo suas palavras, era viado. Obviamente, esta informação pegou todos os internautas de surpresa, já que o ator nunca tinha falado anteriormente sobre sua orientação sexual.

2. Maria Zilda Bethlem

Aliás, aproveitando que já estamos falando da atriz Maria Zilda Bethlem, ela também faz parte do grupo dos famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia. Ela assumiu sua bissexualidade em 2013, quando falou publicamente sobre seu casamento com Ana Kalil, que ocorreu em 2008.

Em 2017, as duas se separaram. Antes de Kalil, Maria Zilda já tinha sido casada com o engenheiro César Leite Fernandes e o diretor televisivo Roberto Talma. Tem dois filhos, o Rodrigo Bethlem com César e o Raphael Vieira com Talma, e é hoje de três netas.

3. Fabiano Augusto

Quem não se lembra do rosto do garoto propaganda das Casas Bahia, né? Embora tenha ficado conhecido pelo Brasil por conta do comercial, o ator Fabiano Augusto é muitíssimo talentoso. Inclusive, para quem não sabe, ele interpretou o papel do Roberto Bolaños na peça “Chaves – Um Tributo Musical”.

Por não ser um ator de televisão, pouco se sabe de sua vida pessoal, principalmente no que diz respeito à sua orientação sexual. Fato é que ele também faz parte do rol dos famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia. Fabiano Augusto assumiu-se gay em 2018 no dia dos namorados e, de quebra, apresentou o seu namorado nas redes sociais.

4. Rodrigo Sant’Anna

O ator Rodrigo Sant’Anna ficou nacionalmente famoso na pele do mulherengo Admilson, ex-namorado de Lady Kate, no quadro de Zorra Total. No entanto, em sua vida pessoal, o humorista não tem nada de parecido com o personagem que lhe trouxe fama.

Na verdade, Rodrigo Sant’Anna é assumidamente gay. O mesmo falou abertamente sobre o assunto em março de 2020 no programa “Altas Horas” da Rede Globo, após afirmar que estava cansado de representar na sua própria vida. Todavia, os rumores começaram um ano antes, quando quando foram publicadas fotos do casamento dele com o marido, o roteirista Júnior Figueiredo.

5. Thalita Carauta

Parceira de palco do Rodrigo Sant’Anna no extinto programa Zorra Total, Thalita Carauta, que ficou conhecida graças às suas personagens irônicas, também é gay. A atriz assumiu à imprensa ser lésbica em 2018, porém vive junto com a escritora e diretora Aline Guimarães desde 2015. Em novembro de 2018, as duas adotaram um menino de cinco anos.

E aí, o que está achando sobre os famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia? Com certeza, há nomes que você provavelmente não sabia, como o do Ary Fontoura. Mas há ainda mais celebridades que você desconhecia a sua verdadeira orientação sexual. Que tal descobrirmos mais?

6. Diego Hypólito

O ginasta artístico Diego Hypólito viu sua vida ser tomada por rumores e fofocas. Dentre elas, questionamentos sobre sua perfomance no trabalho, ironias quanto às suas quedas no esporto, como a que levou nas Olimpíadas de 2012, e, principalmente, boatos quanto à sua orientação sexual.

Quem questionava o fato de Diego Hypólito ser realmente hétero tinha razão. Depois de muito tempo escondendo sua homossexualidade, em 2019 o atleta finalmente assumiu a todos que era gay. Conforme o mesmo afirmou, ele viveu a solidão de não ter ninguém com quem pudesse compartilhar os dilemas de ser uma pessoa gay numa sociedade preconceituosa. Felizmente, a história mudou e hoje ele não tem o que esconder nada de ninguém!

7. Leonardo Vieira

Leonardo Vieira é um ator brasileiro conhecido por fazer papéis em importantes teledramaturgias da televisão brasileira, como nas novelas Senhora do Destino da Rede Globo e Caminhos do Coração/Os Mutantes da Rede Record. E, sim, ele também é homossexual.

Embora sua orientação sexual só tenha vindo à tona em 2017, após sofrer ataques homofóbicos na internet, Leonardo Vieira relacionava-se com o seu atual marido desde 2010. Em julho de 2018, os dois se casaram e se mudaram para Portugal no ano seguinte após ameaças por, segundo as palavras do ator, “ser ele”. Uma pena ele ter que passar por isto até os dias de hoje!

8. Alessandra Maestrini

Quem não se lembra da personagem da atriz Alessandra Maestrini no programa humorístico Toma Lá, Dá Cá da Rede Globo? Afinal, impossível não se recordar das histórias divertidíssimas de sua personagem a respeito de sua terra natal, a cidade de Pato Branco, no Paraná.

Por estar na nossa lista de famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia, já deve imaginar que sua orientação sexual não é hétera, né? Na verdade, a atriz é declara abertamente se bissexual. A informação foi dada em 2014 após uma entrevista de Alessandra Maestrini para a revista Caras.

9. Camila Pitanga

Filha do grande ator Antonio Pitanga, o qual é casado com a deputada federal e ex-governadora do Rio de Janeiro Benedita da Silva, Camila Pitanga é uma atriz brasileira invejável. Sua carreira na dramaturgia é talentosíssima e, justamente por isto, pouco atrai holofotes para o que acontece em sua vida pessoal.

Deste modo, poucos sabem a sua verdadeira orientação sexual. Embora tenha vivido uma vida quase toda como heterossexual, sendo, inclusive, casada com diretor de arte Cláudio Amaral Peixoto, com o qual tem a sua única filha, a atriz passou a se relacionar com uma mulher, a artesã Beatriz Coelho, desde novembro de 2019.

10. Cassio Scapin

Quem viveu os anos 90, é impossível que não se tenha boas recordações da TV Cultura e dos seus programas infantis, como o Castelo Rá-Tim-Bum. Inclusive, seus personagens ficaram marcados na memórias de todos da geração, principalmente a figura do protagonista Nino, interpretado pelo ator Cassio Scapin.

Desde seu papel no programa infantil, pouco se tem escutado falar sobre a vida pessoal e profissional de Cassio Scapin. Definitivamente, o mesmo saiu dos holofotes e segue seu dia a dia discretamente. No entanto, mesmo assim, o ator levantou a bandeira LGBTQI+ e assumiu a todos seu relacionamento com um rapaz em junho de 2019.

11. Patricia Marx

Outra pessoa que passou muito tempo “dentro do armário”, mas acabou se assumindo recentemente, é a ex-Trem da Alegria, Patricia Marx. Em seu instagram, aproveitou o Dia do Orgulho LGBT, que foi o último dia 28 de junho, para afirmar que era gay com muito orgulho.

Agora nos resta apenas mais cinco nomes de famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia. Algum palpite de qual celebridade está por vir? Spoiler: há nome do primeiro escalão da Rede Globo!

12. Reynaldo Gianecchini

Uma coisa é fato: por mais que Reynaldo Gianecchini tivesse sido casado com a apresentador Marília Gabriela, boatos sobre a sua possível orientação sexual não faltavam. Depois de muito tempo após a separação, o ator revelou ao público que, sim, ele é bissexual.

A revelação ocorreu em uma entrevista sincera para o caderno Ela, do jornal O Globo, no ano passado. Segundo Gianecchini, ele prefere fugir de rótulos, pois a sua sexualidade é muito mais ampla. No entanto, confirmou que já teve relacionamentos com homens.

13. Pedro Andrade

Carioca, o apresentador Pedro Andrade faz sucesso nos Estados Unidos, onde atualmente vive, e está à frente do programa jornalístico Manhattan Connection da Globo News, programa pelo qual chegou a ser indicado ao Emmy em 2010. Graças à sua carreira profissional, que exige mais discrição, sua vida pessoal passa despercebido aos olhos dos fofoqueiros.

Por isso, por mais que Pedro Andrade seja assumidamente gay e nunca tenha escondido sua orientação sexual, poucas pessoas sabem este fato da vida dele. Inclusive, o apresentador já chegou a namorar por poucos meses o Lance Bass, o ex-integrante do ‘N Sync. Não à toa, ele está na nossa lista dos famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia.

14. Marco Nanini

Há alguns anos, era difícil imaginar atores e atrizes do primeiro escalão global assumindo serem gays ou bissexuais. Por conta disto, ao longo dos anos, muitos boatos surgiram a respeito da sexualidade de diversos atores, mas só agora vários deles têm tido coragem de se expor em público.

É o caso, por exemplo, do Marco Nanini, o eterno Lineu de A Grande Família, série da Rede Globo. Em 2011, com 63 anos de idade, ele deu uma entrevista à revista Bravo assumindo sua homossexualidade. Embora viva sozinho, o ator contou na reportagem que costuma receber alguns namorados em casa.

15. Miguel Falabella

Outro nome do primeiro escalão da Rede Globo e que se assumiu homossexual depois de muito tempo, mesmo com boatos que o rodeavam a respeito do assunto, foi o Miguel Falabella. Sempre muito discreto sobre a sua vida íntima, o ator falou abertamente sobre sua sexualidade numa entrevista para a revista Serafina em 2013.

Segundo Falabella, o mesmo foi casado durante a sua vida inteira. Como nunca tinha se assumido publicamente que era homossexual, o ator defendeu-se afirmando que nunca escondeu nada o que era para ninguém e sempre foi honesto consigo mesmo. Caso não tivesse sido, nunca teria sido o artista que foi.

16. Luiz Fernando Guimarães

Por fim, o último nome dos famosos brasileiros que são LGTBQI+ é, na verdade, o spoiler que demos no início deste texto: o do Luiz Fernando Guimarães. Conforme falamos, o ator se assumiu gay apenas em 2015, mas já está com seu atual marido há mais de vinte anos. Felizmente, a realidade hoje é outra e ele pode viver sendo quem é sem o peso de esconder-se.

O texto sobre os famosos brasileiros que são LGTBQI+ e que você não sabia chegou ao fim. Com certeza, há muitos outros nomes que deveriam estar na lista, assim como há aquelas celebridades que ainda não tornou pública a sua orientação sexual.

Independentemente das razões para escondê-las, o que esperamos é que cada um viva a sua feliz da melhor forma que lhe couber, não é verdade? Enfim, viva a diferença!

Os 16 artistas da Globo demitidos

Este ano 16 artistas da Globo foram demitidos. Quer saber quem faz parte desta lista? Então, leia este post e se surpreenda com desses nomes dos famosos.

Você também pode gostar

content

Empréstimo consignado Decolar: o que é o Decolar?

O empréstimo Decolar é uma opção inovadora de crédito no mercado, com umas das melhores taxas de juros. Veja mais sobre isso aqui!

Continue lendo
content

Como solicitar o empréstimo Meu Tudo

Com o empréstimo Meu Tudo, você tem taxas reduzidas a partir de 1,29% ao mês e pode parcelar em até 84 vezes. Confira como solicitar o seu!

Continue lendo
content

Empréstimo Serasa eCred: o melhor para os negativados

O Empréstimo Serasa eCred reúne em uma plataforma várias opções de crédito pessoal online com diferentes instituições financeiras. Conheça!

Continue lendo